Terça-feira, 31 de Março de 2009

Palavras, Actos

"A ironia ensina a sabotar uma frase
Como se faz a um motor de automóvel:
Se retirares uma peça a máquina não anda, se mexeres
No verbo ou numa letra do substantivo
A frase trágica torna-se divertida,
E a divertida, trágica.
Este quase instinto de rasteirar as frases protegeu-me,
Desde novo, daquilo que ainda hoje receio: transformar
A linguagem num Deus que salve, e cada frase num anjo
Portador da verdade. Tirar seriedade ao acto da escrita
Aprendi-o na infância, tirar seriedade aos actos da vida
Comecei a aprender apenas depois de sair dela, e espero
Envelhecer aperfeiçoando esta desilusão."
 


publicado por oha às 23:48
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 30 de Março de 2009

Sapatos


publicado por oha às 22:27
link do post | comentar | favorito
Domingo, 29 de Março de 2009

Um anjo erra (o amor confuso)

"Um anjo erra

nos teus olhos diurnos

 

humedecido do véu

(ao fundo, a íris entardece)

seguiu de cor a revoada das pombas

 

místico

um arroubo ascende a prumo

do plano em que me fitas

 

cisnes desaguam

do teu olhar em fio

e vogam ao redor, pelo estuário da sala

 

ao sol-poente

os vitrais das janelas

ardem na catedral assim erguida

 

colocamos um sonho

em cada nicho

 

e no círculo formado pelas nossas bocas

subentende-se com verve

a língua."


publicado por oha às 23:10
link do post | comentar | favorito

Apetece-me um chá

"tenho tantas palavras para dizer nesta manhã
em que outros se esqueceram    definitivamente    de mim
 
e penso naquele teu silêncio olhando-me
como se eu as pronunciasse ainda para ti
e envolvesse cada sílaba no suor dos teus dedos
e chamasse ainda à tua boca o sal das dunas
onde me ensinaste um dia
a esperar por tudo o que chegava fora de horas
porque esse ia ser    tu o disseste    o meu destino
e era preciso estar prevenida
 
mas as palavras desta manhã têm
diferentes contornos
 
e aquele estranho sabor
de um corpo que se afastou de nós
nas inesperadas tempestades de agosto
anunciando o inverno para dali a pouco "
 


publicado por oha às 17:41
link do post | comentar | favorito

Flamenco


publicado por oha às 14:23
link do post | comentar | favorito

Sou de vidro

"Meus amigos sou de vidro
Sou de vidro escurecido
Encubro a luz que me habita
Não por ser feia ou bonita
Mas por ter assim nascido
Sou de vidro escurecido
Mas por ter assim nascido
Não me atinjam não me toquem
Meus amigos sou de vidro
 

 

Sou de vidro escurecido
Tenho fumo por vestido
E um cinto de escuridão
Mas trago a transparência
Envolvida no que digo
Meus amigos sou de vidro
Por isso não me maltratem
Não me quebrem não me partam
Sou de vidro escurecido
 

 

Tenho fumo por vestido
Mas por assim ter nascido
Não por ser feia ou bonita
Envolvida no que digo
Encubro a luz que me habita"
 


publicado por oha às 14:20
link do post | comentar | favorito

Hoje...

"Há hoje um cheiro a partir
um cheiro a não estar aqui,
um cheiro a mar verde-pálido,
de algas soltas, sem raízes.
Estou no cais mas não saí.
Tenho um passaporte inválido
para todos os países. "
 


publicado por oha às 13:47
link do post | comentar | favorito

Primavera

 

"Enquanto os outros dormem, fundo-me no verbo interior da primavera "


 


publicado por oha às 13:44
link do post | comentar | favorito
Sábado, 28 de Março de 2009

Sombra negada


publicado por oha às 09:30
link do post | comentar | favorito

Os animais não são palhaços

 

 

Campanha de Acção Animal e LPDA

tags:

publicado por oha às 09:18
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 24 de Março de 2009

O Teatro das Cidades

"Qualquer tempo é um tempo duvidoso
assim o meu cercado de cidades
plataformas instáveis
praticáveis cobertos de infinita gente náufraga
que se inclina nas águas como um palco

Paro na convergência dos estrados
chove já sobre a raça ameaçada
Incertas multidões em volta passam
contemporâneas falam interpretam
a duvidosa língua das imagens

Assim no teatro abstracto das cidades
morrem palavras sobre um palco náufrago

O tempo cobre o céu que se enche de água "
 


publicado por oha às 22:37
link do post | comentar | favorito

Mystique

Mystique


publicado por oha às 22:35
link do post | comentar | favorito

Palavras essenciais

 

"Quais são as tuas palavras essenciais? As que restam depois de toda a tua agitação e projectos e realizações. As que esperam que tudo em si se cale para elas se ouvirem. As que talvez ignores por nunca as teres pensado. As que podem sobreviver quando o grande silêncio se avizinha "

 


publicado por oha às 22:11
link do post | comentar | favorito

Pela janela...

 
"pela janela, entre acácias e piteiras, vejo os barcos surgindo na bruma. o coração aéreo dos pássaros passa rente ao mar, e o mar põe-se a fulgurar, arde, cobre-se de plumas, levanta voo com os pássaros."
  
( em o "Medo)

publicado por oha às 22:00
link do post | comentar | favorito

Até quando


publicado por oha às 21:47
link do post | comentar | favorito
Domingo, 22 de Março de 2009

Assombros

"Às vezes, pequenos grandes terremotos
ocorrem do lado esquerdo do meu peito.

 

Fora, não se dão conta os desatentos.

 

Entre a aorta e a omoplata rolam
alquebrados sentimentos.

 

Entre as vértebras e as costelas
há vários esmagamentos.

 

Os mais íntimos
já me viram remexendo escombros.
Em mim há algo imóvel e soterrado
em permanente assombro."
 


publicado por oha às 12:50
link do post | comentar | favorito

Erva Cidreira


publicado por oha às 12:22
link do post | comentar | favorito

Verdes Anos


publicado por oha às 11:50
link do post | comentar | favorito
Sábado, 21 de Março de 2009

Que será de ti, Amazônia?

"Que será de ti, Amazônia,
enquanto o homem que te desfruta
considerar-te perene, imortal
como se imagina um duende?

Que será de ti, Amazônia,
enquanto se pensa no teu destino
sem nunca separar-te dos interesses
daquele que te golpeia,
te reduz e te maltrata?

Que será de ti, Amazônia,
enquanto se teima em desconhecer
que teu reino se acaba
onde a tua imensa vegetação termina?

Que será de ti, Amazônia,
enquanto os cegos herdeiros
do Lêmure implacável,
buscam fórmulas vazias
para explorar-te racionalmente,
quando se sabe que os fins econômicos
já são, por si mesmos,
irracionais?

Que será de ti, Amazônia,
enquanto não forem avaliadas tuas perdas
e teu desgaste
em quatrocentos anos de falsa
prosperidade para o homem;
e de lenta,
lentíssima agonia
para os sonhos e as riquezas
que te habitam?


Que será de ti, Amazônia,
enquanto o índio que te protege
e guarda os teus mistérios,
continuar sendo reduzido
e transformado em caboclo?

Que será de ti, Amazônia,
enquanto o revolvimento de teu solo,
à cata de minérios,
envenenar os teus rios;
e as toras de madeira submersas
desabarem sobre ti
numa queda insalubre e frenética
de chuvas ácidas?

Que será de ti, Amazônia,
enquanto o desmatamento e as queimadas
transferem para os teus ares o sezão
dos pântanos
e a temperatura dos infernos?

Que será de ti, Amazônia,
quando tuas lendas não tiverem mais
onde pousar; e a doce flauta
do uirapuru
quebrar-se numa profunda elegia
sobre os rios que minguam
e os areais que avançam?

Que será de ti, Amazônia,
última página do Gênesis,
quando os seres que fazem a tua escrita
enigmática,
mergulharem na usura
que te rebaixa
aos olhos do mundo?


Que será de ti, Amazônia,
se continuas espoliada e sujeita
ao voto
que elege os teus algozes?

Que será de ti, Amazônia,
cujo tamanho incomoda pela ausência
de amor,
e cuja perda nem mesmo um rio
de lágrimas
há-de chorar-te com justiça ?

Que será de ti, Amazônia,
navegável piscosa hidra mesopotâmica
resistência dos fracos
buzina dos ermos
igaçaba de fogos-fátuos
agora que teus peixes,
de há muito impedidos de crescer
e desovar corretamente
já não saciam a fome dos que
nada fizeram
para ver o futuro?

Que será de ti, Amazônia,
grandeza física que,
no entanto,
pode caber dentro de um ninho qualquer,
desde que ele tenha a leveza
de tuas palhas
e a úmida ternura
dos ventos que te embalam?

Que será de ti, Amazônia,
enquanto as crianças do globo
não souberem te amar em plenitude,
ou seja,
do bicho mais rasteiro
às frondes mais altas de teus bosques
e teus igapós?

Que será de ti, Amazônia,
se as fronteiras que te abraçam
numa ciranda geográfica de isolamento
e fraternidade,
não aprenderem também a sentir
o pulsar de teus mares sepultos
e a beber, em tuas águas,
a música das sombras?

Que será de ti, Amazônia,
paraíso da natividade cósmica
porto de lenha
sertão de especiarias
inferno verde
berço do progresso
refúgio de degredados
sorvedouro de talentos
remate dos vencedores,
quando és, praticamente,
a última baliza do verde
com as terras-do-sem-fim?

Que será de ti, Amazônia,
esfinge dos néscios
apetite dos glutões
motivo de inspiração e de escárnio
natureza morta
peixe colorido de estrelas importadas
autofagia mítica
cipoal de batalhas demiúrgicas
aleijão vegetativo
sementeira de astronaves,
agora que meia dúzia de sábios
te colocam no banco dos réus
e te julgam
em nome da ecologia?"
 


publicado por oha às 23:57
link do post | comentar | favorito

Antik Batik


publicado por oha às 23:13
link do post | comentar | favorito

A Essência da Poesia

"Não aprendi nos livros qualquer receita para a composição de um poema; e não deixarei impresso, por meu turno, nem sequer um conselho, modo ou estilo para que os novos poetas recebam de mim alguma gota de suposta sabedoria. Se narrei neste discurso alguns sucessos do passado, se revivi um nunca esquecido relato nesta ocasião e neste lugar tão diferentes do sucedido, é porque durante a minha vida encontrei sempre em alguma parte a asseveração necessária, a fórmula que me aguardava, não para se endurecer nas minhas palavras, mas para me explicar a mim próprio.
Encontrei, naquela longa jornada, as doses necessárias para a formação do poema. Ali me foram dadas as contribuições da terra e da alma. E penso que a poesia é uma acção passageira ou solene em que entram em doses medidas a solidão e solidariedade, o sentimento e a acção, a intimidade da própria pessoa, a intimidade do homem e a revelação secreta da Natureza. E penso com não menor fé que tudo se apoia - o homem e a sua sombra, o homem e a sua atitude, o homem e a sua poesia - numa comunidade cada vez mais extensa, num exercício que integrará para sempre em nós a realidade e os sonhos, pois assim os une e confunde.
 

 

E digo igualmente que não sei, depois de tantos anos, se aquelas lições que recebi ao cruzar um rio vertiginoso, ao dançar em torno do crânio de uma vaca, ao banhar os pés na água purificadora das mais elevadas regiões, digo que não sei se aquilo saía de mim mesmo para se comunicar depois a muitos outros seres ou era a mensagem que os outros homens me enviavam como exigência ou embrazamento. Não sei se aquilo o vivi ou escrevi, não sei se foram verdade ou poesia, transição ou eternidade, os versos que experimentei naquele momento, as experiências que cantei mais tarde.
De tudo aquilo, amigos, surge um ensinamento que o poeta deve aprender dos outros homens. Não há solidão inexpugnável. Todos os caminhos conduzem ao mesmo ponto: à comunicação do que somos. E é necessário atravessar a solidão e aspereza, a incomunicação e o silêncio para chegar ao recinto mágico em que podemos dançar com hesitação ou cantar com melancolia, mas nessa dança ou nessa canção acham-se consumados os mais antigos ritos da consciência; da consciência de serem homens e de acreditarem num destino comum. "

(Discurso na entrega do Prémio Nobel)
 


publicado por oha às 22:43
link do post | comentar | favorito
Domingo, 15 de Março de 2009

Guinée Malinke Toroba

Guinée, Malinke, Toroba


publicado por oha às 11:59
link do post | comentar | favorito
Sábado, 14 de Março de 2009

Meu país desgraçado

 
"Meu país desgraçado!...
E no entanto há Sol a cada canto
e não há Mar tão lindo noutro lado.
Nem há Céu mais alegre do que o nosso,
nem pássaros, nem águas ...

Meu país desgraçado!...
Por que fatal engano?
Que malévolos crimes
teus direitos de berço violaram?

Meu Povo
de cabeça pendida, mãos caídas,
de olhos sem fé
— busca, dentro de ti, fora de ti, aonde
a causa da miséria se te esconde.

E em nome dos direitos
que te deram a terra, o Sol, o Mar,
fere-a sem dó
com o lume do teu antigo olhar.

Alevanta-te, Povo!
Ah!, visses tu, nos olhos das mulheres,
a calada censura
que te reclama filhos mais robustos!

Povo anémico e triste,
meu Pedro Sem sem forças, sem haveres!
— olha a censura muda das mulheres!
Vai-te de novo ao Mar!
Reganha tuas barcas, tuas forças
e o direito de amar e fecundar
as que só por Amor te não desprezam!"

 

publicado por oha às 14:37
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 11 de Março de 2009

Praça Luís de Camões


publicado por oha às 21:23
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 9 de Março de 2009

Sobre o poema

 

"Um poema cresce inseguramente
na confusão da carne,
sobe ainda sem palavras, só ferocidade e gosto,
talvez como sangue
ou sombra de sangue pelos canais do ser.

Fora existe o mundo.
Fora, a esplêndida violência
ou os bagos de uva de onde nascem
as raízes minúsculas do sol.
Fora, os corpos genuínos e inalteráveis
do nosso amor,
os rios, a grande paz exterior das coisas,
as folhas dormindo o silêncio,
as sementes à beira do vento,
— a hora teatral da posse.
E o poema cresce tomando tudo em seu regaço.

E já nenhum poder destrói o poema.
Insustentável, único,
invade as órbitas, a face amorfa das paredes,
a miséria dos minutos,
a força sustida das coisas,
a redonda e livre harmonia do mundo.

— Embaixo o instrumento perplexo ignora
a espinha do mistério.

— E o poema faz-se contra o tempo e a carne. "

 


publicado por oha às 22:10
link do post | comentar | favorito

Galápagos


publicado por oha às 21:56
link do post | comentar | favorito
Domingo, 8 de Março de 2009

As imagens transbordam

 

"As imagens transbordam fugitivas
E estamos nus em frente às coisas vivas.
Que presença jamais pode cumprir
O impulso que há em nós, interminável,
De tudo ser e em cada flor florir?"
 

 


publicado por oha às 21:48
link do post | comentar | favorito

Arco em Lisboa

Photo


publicado por oha às 20:03
link do post | comentar | favorito

Um sinal

 

" Era já noite mas eu corria

corria cegamente pela página fora.

Ou era talvez a rua. Corria

para um encontro

não sei ao certo de quê nem

de

quem.

Um nome um rosto

um corpo nu deitado no abismo.

Mas era uma estrela

que me

guiava.

Era um sismo

era um vento.

Ou talvez a palavra. Ou talvez a palavra.

E por isso eu corria

loucamente corria pela noite dentro"

 


publicado por oha às 19:45
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 3 de Março de 2009

Danza del Fogo


publicado por oha às 21:14
link do post | comentar | favorito
Domingo, 1 de Março de 2009

Monstra Festival

 

http://www.monstrafestival.com/

 

 


publicado por oha às 14:30
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

Carta a Meus Filhos

 

"Não sei, meus filhos, que mundo será o vosso.
É possível, porque tudo é possível, que ele seja
aquele que eu desejo para vós. Um simples mundo,
onde tudo tenha apenas a dificuldade que advém
de nada haver que não seja simples e natural.
Um mundo em que tudo seja permitido,
conforme o vosso gosto, o vosso anseio, o vosso prazer,
o vosso respeito pelos outros, o respeito dos outros por vós.
E é possível que não seja isto, nem seja sequer isto
o que vos interesse para viver. Tudo é possível,
ainda quando lutemos, como devemos lutar,
por quanto nos pareça a liberdade e a justiça,
ou mais que qualquer delas uma fiel
dedicação à honra de estar vivo.
Um dia sabereis que mais que a humanidade
não tem conta o número dos que pensaram assim,
amaram o seu semelhante no que ele tinha de único,
de insólito, de livre, de diferente,
e foram sacrificados, torturados, espancados,
e entregues hipocritamente â secular justiça,
para que os liquidasse "com suma piedade e sem efusão de sangue."
Por serem fiéis a um deus, a um pensamento,
a uma pátria, uma esperança, ou muito apenas
à fome irrespondível que lhes roía as entranhas,
foram estripados, esfolados, queimados, gaseados,
e os seus corpos amontoados tão anonimamente quanto haviam vivido,
ou suas cinzas dispersas para que delas não restasse memória.
Às vezes, por serem de uma raça, outras
por serem de urna classe, expiaram todos
os erros que não tinham cometido ou não tinham consciência
de haver cometido. Mas também aconteceu
e acontece que não foram mortos.
Houve sempre infinitas maneiras de prevalecer,
aniquilando mansamente, delicadamente,
por ínvios caminhos quais se diz que são ínvios os de Deus.
Estes fuzilamentos, este heroísmo, este horror,
foi uma coisa, entre mil, acontecida em Espanha
há mais de um século e que por violenta e injusta
ofendeu o coração de um pintor chamado Goya,
que tinha um coração muito grande, cheio de fúria
e de amor. Mas isto nada é, meus filhos.
Apenas um episódio, um episódio breve,
nesta cadela de que sois um elo (ou não sereis)
de ferro e de suor e sangue e algum sémen
a caminho do mundo que vos sonho.
Acreditai que nenhum mundo, que nada nem ninguém
vale mais que uma vida ou a alegria de té-1a.
É isto o que mais importa - essa alegria.
Acreditai que a dignidade em que hão-de falar-vos tanto
não é senão essa alegria que vem
de estar-se vivo e sabendo que nenhuma vez alguém
está menos vivo ou sofre ou morre
para que um só de vós resista um pouco mais
à morte que é de todos e virá.
Que tudo isto sabereis serenamente,
sem culpas a ninguém, sem terror, sem ambição,
e sobretudo sem desapego ou indiferença,
ardentemente espero. Tanto sangue,
tanta dor, tanta angústia, um dia
- mesmo que o tédio de um mundo feliz vos persiga -
não hão-de ser em vão. Confesso que
multas vezes, pensando no horror de tantos séculos
de opressão e crueldade, hesito por momentos
e uma amargura me submerge inconsolável.
Serão ou não em vão? Mas, mesmo que o não sejam,
quem ressuscita esses milhões, quem restitui
não só a vida, mas tudo o que lhes foi tirado?
Nenhum Juízo Final, meus filhos, pode dar-lhes
aquele instante que não viveram, aquele objecto
que não fruíram, aquele gesto
de amor, que fariam "amanhã".
E. por isso, o mesmo mundo que criemos
nos cumpre tê-lo com cuidado, como coisa
que não é nossa, que nos é cedida
para a guardarmos respeitosamente
em memória do sangue que nos corre nas veias,
da nossa carne que foi outra, do amor que
outros não amaram porque lho roubaram."

 

(Os Fuzilamentos de Goya)

 


publicado por oha às 09:44
link do post | comentar | favorito

Nagumomo


publicado por oha às 09:39
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 2 seguidores

.pesquisar

 

.Julho 2009

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
23
24
25

26
27
28
29
30
31


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Setúbal

. Tive razão

. Man dying of aids in Zimb...

. Canción con Todos

. In A Manner Of Speaking

. UNICEF: Children and wome...

. Será

. Tinariwen

. Natureza e Comboio

. Os poetas

. Ken Saro Wiwa

. Inocência

. Burgueses

. Provérbio russo

. Um dia alguém numa grande...

. De Mali

. O último poema

. Povo

. Em festa

. O país de uma nota só

. Ode a pobreza

. Solidariedade

. Um mundo sem racismo

. Tango argentino

. Para que sejamos necessár...

. Dreaming

. Viver

. Sarasa Sama Dana

. Nunca mais

. Todos con el Sahara

. O poeta e a poesia

. Arms trade and poverty

. Revolta-te

. El Pueblo Unido Jamas Ser...

. Avante Camarada

. Traz Outro Amigo Também

. Os olhos do poeta

. Palavra de Mulher

. Amanhecer

. Red Poppies

. Auto retrato

. Num café à noite

. Que poderei de mim mais a...

. Cidade

. Traduzir-se

. Batucada

. Ouvir Estrelas

. Tunuca

. Sensualidade

. Sê paciente; espera

.arquivos

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

.tags

. todas as tags

Web Site Hit Counter
em linha