Quarta-feira, 10 de Junho de 2009

Um dia alguém numa grande cidade...

"Um dia alguém numa grande cidade longí­nqua dirá que morri
di-lo-á decerto com pena mas sem o alívio que eu próprio decerto senti
primeiro ao solucionar de vez esse problema de respiração que a vida é
desde a convulsão da criança que a meio do copo deixou ir leite para a traqueia
até a instantânea atrapalhação do mergulhador a quem de súbito falta o ar comprimido
só dispõe da reserva e lhe faltava tanto que ver no fundo sonhador do mar
depois senti alívio porque às vezes a meio por exemplo da aragem na face
eu pensava na morte como problema metafísico a resolver pelo menos com higiene
se não com dignidade com acerto como mais um problema à medida do homem
Eu estava do lado dos vivos estou do lado dos mortos
o grande problema era saber se me doía ou se não me doía
agora nem sei se me doeu ou não ou fui um mero espectáculo de mau gosto
para a única pessoa encarregada de me ajudar nesse momento
Ninguém a princípio terá sabido que eu morrera só minha
mulher avisada de longe virá e me porá a mão sobre a testa
os demais não não disponho do olhar para me defender
o tempo depressa se passa são trâmites legais até me terem deixado
debaixo do chão bem debaixo do chão sem frases lidas
ou gravadas sem sentimento nenhum
Uns dias depois um pequeno grupo junto a uma grande janela
olhará a neblina da manhã de janeiro
e terá mãos que eu tive para os meus problemas de vivos
Onde eu estive sobre uma mesa com uma perna cruzada
suaves começarão a suceder-se e acumular-se os dias
como cartas revistas linguísticas ou livros adormecidos
despertos apenas no momento fugaz da leitura
A vida será indistinta virá até nós como árvores
rodará em volta como um lençol até cobrir-nos os ombros
Falareis de mim não posso impedir que faleis de mim
mas já nada disso me pesa como o simples facto de ter de ser vosso amigo
Estou só e só para sempre e só desde sempre
mas antes por direito de opção. Agora não
Deixaram-me aqui doutor em tantas e tão grandes tristezas portuguesas
e durmo o sono das coisas convivo com minerais preparo a minha juventude definitiva
Era como eu esperava mas não posso dizer-vos nada
pois tendes ainda o problema e a cara da pessoa viva"
 


publicado por oha às 08:26
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 2 seguidores

.pesquisar

 

.Julho 2009

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
23
24
25

26
27
28
29
30
31


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Setúbal

. Tive razão

. Man dying of aids in Zimb...

. Canción con Todos

. In A Manner Of Speaking

. UNICEF: Children and wome...

. Será

. Tinariwen

. Natureza e Comboio

. Os poetas

. Ken Saro Wiwa

. Inocência

. Burgueses

. Provérbio russo

. Um dia alguém numa grande...

. De Mali

. O último poema

. Povo

. Em festa

. O país de uma nota só

. Ode a pobreza

. Solidariedade

. Um mundo sem racismo

. Tango argentino

. Para que sejamos necessár...

. Dreaming

. Viver

. Sarasa Sama Dana

. Nunca mais

. Todos con el Sahara

. O poeta e a poesia

. Arms trade and poverty

. Revolta-te

. El Pueblo Unido Jamas Ser...

. Avante Camarada

. Traz Outro Amigo Também

. Os olhos do poeta

. Palavra de Mulher

. Amanhecer

. Red Poppies

. Auto retrato

. Num café à noite

. Que poderei de mim mais a...

. Cidade

. Traduzir-se

. Batucada

. Ouvir Estrelas

. Tunuca

. Sensualidade

. Sê paciente; espera

.arquivos

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

.tags

. todas as tags

Web Site Hit Counter
em linha